quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

Vacina contra dengue pode ser adaptada para zika, diz diretor do Butantan

A tecnologia desenvolvida na formulação da vacina brasileira contra a dengue – que contou com apoio da Fapesp e já entrou na fase final de ensaio clínico – pode ser adaptada para criar um imunizante contra o vírus zika, afirmou o diretor do Instituto Butantan, Jorge Kalil, em entrevista concedida à Agência Fapesp.

Segundo ele, uma das possibilidades seria inserir no vírus vacinal da dengue um gene codificador de uma proteína-chave do vírus zika. Outra ideia seria criar um vírus zika atenuado, usando método semelhante ao empregado no desenvolvimento da vacina da dengue.
O Instituto Butantan, que integra a recém-criada Rede Zika (força-tarefa apoiada pela Fapesp e formada por cerca de 40 laboratórios), também já deu início a pesquisas voltadas ao desenvolvimento de um soro que poderia ser aplicado em gestantes infectadas para combater o vírus zika circulante no organismo antes que ele cause danos ao feto.
Ainda durante a entrevista, Kalil falou sobre os preparativos necessários para o início da imunização dos voluntários participantes da terceira etapa de ensaios clínicos da vacina tetravalente contra a dengue, prevista para começar este mês.
"Estamos vivendo uma crise aguda de Zika, mas não podemos minimizar a dengue. É uma doença que persiste, ainda mata no país e deve vir com muita força este ano", avaliou. Leia a seguir os principais trechos da entrevista.

Nenhum comentário:

Postar um comentário